Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Tratamento é com dois pesos e duas medidas, diz Gleisi sobre caso de Alckmin

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

EBC.

Sexta, 13/4/2018 6:22.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, criticou na noite desta quinta-feira (12) o envio para a Justiça Eleitoral de investigação contra o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Na quarta (11), o STJ (Superior Tribunal de Justiça) livrou o tucano dos procuradores da Lava Jato, argumentando que só havia elementos para apurar caixa dois eleitoral, e não corrupção passiva.

"O tratamento é com dois pesos e duas medidas. Não é uma Justiça isenta, é uma Justiça que está protegendo o PSDB", disse a senadora a militantes do acampamento pró-Lula, estabelecido em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde o ex-presidente está preso.

Delatores da Odebrecht relataram que repassaram cerca de R$ 10,7 milhões não declarados para as campanhas de Alckmin. Gleisi afirmou que considera o envio do caso à Justiça Eleitoral um absurdo. "Isso é uma coisa absurda! Vários companheiros nossos são acusados por esses delatores de ter ganhado dinheiro em campanha, inclusive eu, e está lá no Supremo, como se nós tivéssemos feito corrupção."

Em agosto do ano passado, a Polícia Federal concluiu que Gleisi cometeu crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em campanha eleitoral para o Senado em 2014. O inquérito tramita no STF (Supremo Tribunal Federal). Ela também é ré em outro processo na corte, acusada de receber R$ 1 milhão de corrupção na Petrobras para sua campanha em 2010.

SOLITÁRIA

Em seu discurso, Gleisi voltou a defender a inocência de Lula e disse que a militância continuará com o ex-presidente em qualquer lugar. Ela afirmou que as instalações da PF são razoáveis, mas que o petista está praticamente em um regime de solitária, por ficar "incomunicável".

A senadora agradeceu a solidariedade de alguns moradores da região e fez um "mea-culpa" com vizinhos insatisfeitos com o acampamento, que começou a ser montado no sábado (7), quando Lula se entregou.

"Obviamente ter um acampamento na frente da sua casa não é a melhor coisa do mundo. Eu não acharia nada agradável, mas a gente não está aqui porque a gente quer. Para onde levarem o Lula, nós estaremos." Mais cedo, Gleisi caminhou entre as barracas e tirou fotos com apoiadores.

Ela também afirmou que na próxima terça-feira (17) será lançada uma frente contra a prisão de Lula, formada por PT, PCdoB, PSOL, PDT e PSB. "Será que esses partidos se uniriam para fazer uma frente se Lula fosse bandido?"

Por fim, Gleisi lembrou aos militantes que o ex-presidente pediu que a luta continuasse após a sua prisão. "Ele pediu que a gente fosse ele aqui fora, e nós somos ele", disse, acompanhada por gritos de "Eu sou Lula!". 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Equilíbrio que existia no governo Spernau foi liquidado no governo Piriquito   


Cidade

Reunião para sensibilizar a comunidade local acontece nesta quinta-feira


Política

Proposta envolve prazo máximo e dívidas parceláveis


Brasil


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade