Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Serei candidato até o fim mesmo com Temer, diz Rodrigo Maia

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Mateus Bonomi /Folhapress.

Quinta, 8/3/2018 7:42.

DANIEL CARVALHO E MARINA DIAS
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a possível candidatura à reeleição de Michel Temer é legítima, mas que, caso esse projeto se concretize, disputará com ele até o fim.

Em entrevista à Folha de S.Paulo na véspera do lançamento de sua pré-candidatura para as eleições, nesta quinta-feira (8), Maia escolheu o PSDB como seu principal adversário e disse que formar uma chapa com Geraldo Alckmin, hoje, seria, em suas palavras, "uma negligência política".

Maia, que fez críticas à atual política econômica, disse que não será garoto-propaganda do Planalto, mas que também não esconderá acertos do governo.

Pergunta - Aliados do sr. dizem que sua pré-candidatura ao Planalto é só uma forma de angariar força política para entrar na chapa do PSDB. Como responder a essa tese?

Rodrigo Maia - Há um caminho no nosso campo que rejeita a polarização entre PT e PSDB e entende que esse ciclo pós-redemocratização acaba com a transição feita pelo presidente Michel Temer. Tenho responsabilidade de construir um projeto para que a gente não entregue o governo para partidos de esquerda. A rejeição ao PSDB, e o [pré-candidato] Geraldo Alckmin é vítima disso, inviabiliza sua vitória. Representamos um novo ciclo, com a certeza de que compor chapa com o PSDB hoje é participar de um projeto em que entregaremos o governo para aqueles que não governarão da forma que acreditamos.

É um erro compor com o PSDB?

Maia - Participar de uma aliança com o PSDB para perder pode ser uma decisão política, mas, neste momento, em que a eleição está aberta, com a rejeição ao PSDB que inviabiliza seu candidato de vencer, não tentar construir outro projeto que represente um novo ciclo seria negligência política da nossa parte.

Hoje o senhor tem 1% das intenções de voto. Acha que vale a pena disputar o Planalto para ser derrotado e ganhar força para a eleição de 2022?

Maia - A reeleição foi o grande câncer que o PSDB gerou para o Brasil. O país precisa que as pessoas que queiram construir um projeto possam colocar seu nome na disputa.

É mais importante agora uma vitória política ou eleitoral?

Maia - As duas são possíveis. Essa é uma eleição de mudança na geração da política brasileira. Nossa geração tem que se colocar e tem chance de vitória.

O seu principal adversário hoje é Geraldo Alckmin?

Maia - Se a situação do PSDB não fosse a colocada hoje, com essa rejeição, seria muito difícil que eu tivesse o apoio dentro do meu partido e de outros partidos que querem construir comigo esse projeto.

Essa pulverização no campo de centro vai até quando?

Maia - Sem Lula, é uma eleição menos radicalizada, mas menos previsível também. Nós vamos construir um projeto que vai representar o nosso campo no primeiro turno.

E por que o senhor não inclui o governo do presidente Michel Temer quando fala 'nós'?

Maia - Quando sinalizou que estava preparado para assumir o poder na hipótese de impeachment de Dilma Rousseff (PT), Temer disse que faria uma transição. O governo está fazendo essa transição, da qual o DEM participou. Temos que construir um projeto para um novo ciclo.

Esse governo acaba obrigatoriamente em dezembro?

Maia - Se o presidente Temer quiser ser candidato, é um direito legítimo dele. O governo tinha o projeto de fazer a transição, se mudou esse projeto, é um direito que tem.

O senhor não se interessa pelo apoio do Planalto ou do MDB à sua candidatura?

Maia - O governo sinalizou claramente que vai tentar viabilizar o projeto de reeleição do presidente. É legítimo. Como o DEM está lançando candidato, é um nome por partido.

E o ministro Henrique Meirelles (Fazenda)?

Maia - O que tem?

Se o candidato do governo é Temer, como avalia as articulações do MDB em torno do nome do ministro?

Maia - O tal do Palácio do Planalto está trabalhando com esse cenário [de Temer].

A candidatura de Temer é viável mesmo após a autorização para a quebra de seu sigilo bancário e o avanço de algumas investigações contra ele?

Maia - É legítimo que todo brasileiro que queira disputar a eleição coloque seu nome.

Se houver uma nova denúncia contra Temer, a Câmara terá a mesma boa vontade de enterrá-la, como das outras vezes?

Maia - A Câmara teve responsabilidade para não gerar mais instabilidade no país.

Temer tem popularidade baixíssima. Qual foi o erro do presidente?

Maia - Foi aprovar um aumento salarial para 16 categorias, sinalizando que tinha recebido um governo equilibrado do ponto de vista fiscal. A comunicação foi ineficiente. Outro erro foi não pensar políticas econômicas para compensar medidas ortodoxas.

O sr. não está disposto a ser um garoto-propaganda do governo.

Maia - Nem posso. No projeto que foi colocado para fazer a transição, tem muitas coisas positivas que eu não tenho problema nenhum de defender.

O presidente do seu partido, ACM Neto, disse que se a pulverização de centro for longe demais, é possível uma convergência de candidaturas. O sr. vê possibilidade de se unir a um projeto do Planalto?

Maia - Ele disse, inclusive, que o PSDB pode dar o nosso vice.

Se Temer for candidato, o sr. vai disputar com ele até o fim?

Maia - Se ele for candidato, vou disputar contra ele. Serei candidato até o fim mesmo com a participação de Temer.

O sr. acha que o governo tem uma dívida com o sr. por tudo o que o fez nos últimos anos?

Maia - Não acho que ninguém tem dívida comigo. Não fiz porque era o Michel. Fiz porque tinha convicção de que era melhor para o Brasil eu não gerar uma instabilidade. Mais do que isso: eu tenho o sonho de ser presidente do Brasil, mas nunca manchando meu currículo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Conselho da Cidade e Câmara de Vereadores não votam mais em casos desse tipo 


Saúde

Dia D será 12 de maio, um sábado, com mais postos de vacinação abertos 


Geral

Prefeitura adotou novas regras em alguns setores. São esperadas 160 mil pessoas.


Seu Dinheiro

Metade não entregou. Esta é a última semana 


Publicidade


Empregos


Saúde

Vereadora aponta defasagens de quase 90% nos salários oferecidos


Política

Um sai do Esporte para a Câmara e o outro sai da Câmara para o Esporte 


Tecnologia

Beacon vem sendo implantado pela Costa Verde & Mar


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade