Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Datafolha mostra potencial de Barbosa para PSB e indefinição para tucanos

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

EBC.

Segunda, 16/4/2018 5:35.

TALITA FERNANDES E GÉSSICA BRANDINO
BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do PSB, Carlos Siqueira, avalia que o resultado da pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo (15), mostra o potencial da candidatura do ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa à Presidência da República.

De acordo com a pesquisa, o ex-presidente do STF aparece em terceiro ou quarto colocado na disputa pelo Palácio do Planalto. A depender de quem são seus concorrentes, ele detém entre 8% e 10% das intenções de voto.

"Avaliamos que a candidatura dele tem potencial muito grande. Inclusive, muito maior se considerarmos que a população ainda não está bem informada sobre candidatura", afirmou Siqueira à reportagem.

Para ele, o resultado do Datafolha é "animador". "Alguns postulantes estão há meses (na disputa) ou há mais de um ano, e estão igual ou abaixo (do ministro)."

O presidente do PSB disse que a candidatura de Barbosa ainda é incerta e que reuniões estão previstas para a próxima semana para tratar do assunto. Por meio de sua assessoria de imprensa, o ex-ministro disse que não comentaria o Datafolha.

Já tucanos observam com cautela o ex-governador Geraldo Alckmin, que alcança 8% dos votos no primeiro turno. Na pesquisa anterior, com outros oponentes, o tucano chegava a 11%.

A campanha de Geraldo Alckmin disse que o cenário retratado é de "completa indefinição", uma vez que o eleitor começará a definir o voto em agosto. "A pesquisa precisa ser vista com cautela neste quadro em que candidaturas seguras misturam-se a meras possibilidades, criando cenários e números de relevância questionável."

Na avaliação do deputado tucano Ricardo Tripoli (PSDB-SP) o crescimento do ex-governador nas pesquisas é uma questão de tempo.

"Não tenho dúvidas que ele vai crescer. É uma pessoa que já tem um nível de conhecimento bom. As pessoas vão saber o que ele fez por São Paulo e o que ele pode fazer pelo Brasil. Mais do que isso: nessa discussão entre extrema-esquerda e direita, ele é o candidato da conciliação", disse.

TRANQUILIDADE

Uma das principais herdeiras dos votos do ex-presidente Lula, Marina Silva diz ter recebido o resultado da pesquisa "com tranquilidade".

"Lembro que pesquisa retrata um momento. E que nesse momento e nos próximos meses o eleitor estará fazendo escolhas entre um expressivo número de candidatos. Nesse período de pré-campanha em que tenho circulado pelo país, estou atenta ao risco da extrema polarização do debate político, recolho propostas para o programa que apresentarei aos cidadãos e me posiciono, como tenho feito desde 2010, comprometida com o debate e não com o embate", afirmou Marina por meio de nota.

O Datafolha mostra que vão para a candidata da Rede até 20% dos eleitores de Lula.

Em cenário com a candidatura do petista, Marina detém 10% das intenções de voto, e fica em terceiro lugar na corrida presidencial, atrás apenas do ex-presidente de do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Na hipótese de o PT lançar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad no lugar de Lula, Marina passa de terceira para segunda colocada, subindo de 10% para 15%, atrás apenas de Bolsonaro, que fica com 17% das intenções de voto. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Prefeito manda construir viaduto em cruzamento com túnel da rua 3100


Policia

Prefeito Fabrício Oliveira disse que não irá cumprir a recomendação


Seu Dinheiro

Programa de parcelamento de dívidas inicia dia 2 de maio  


Esportes

Ela tinha vencido, mas foi desclassificada pela arbitragem


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade